terça-feira, 25 de agosto de 2009

Intimidade Falada

Publicar postagem
Arte de: Klimt

Lorenzo Ganzo Galarça


As dificuldades não são bagagens vindas do nascimento. Construímos nossas vidas a cada momento, a cada esquina. Toda rua é mãe de um segredo.

Os pássaros regurgitam suas habilidades com as palavras. Podem permanecer durante horas, sobre o fio de luz, jogando conversa fora. Não existe vergonha para aqueles que se vestem com pouco mais que um punhado de penas.

Já experimentei trocar o vestuário. Usar roupas mais leves. Camisas e bermudas transmitem um ar de descontração.

Descobri que o peso das roupas não está no tecido. O desconforto acontece muito antes dentro da pele, do que fora dela. Aliás, poucas coisas mudam-se pelo exterior.

Não me envergonho da minha falta de competência. De trocar as palavras. Escutar o soluço dos dentes.

Não me decorei a ponto de cumprimentar sempre da mesma forma. Acenar com suavidade. Sorrir com o canto mais bonito da boca.

Invento-me sempre para não correr o risco de esquecer o repertório.

Furto-me de qualquer conveniência. Tropeço na língua, e já saio dizendo:
-Nossa, já fiquei nervoso de falar contigo.

Ser verdadeiro dilui qualquer gafe, enaltece a companhia, honra o encontro. Faz do tropeço, cambalhota.

Reconheço: Não existe mais espaço em mim, para alguém diferente do que sou.

Posso passar a vida ao seu lado, construir nossa casa e criar nossos filhos. Não tenho dificuldade para dizer o quanto Amo. Não temo nenhum relacionamento profundo. Criar raízes em teus cabelos.

O que temo é o não-relacionamento. A falta de verdade. Os momentos desperdiçados. Abrigo-me distante das calmarias; abro portas e janelas para as tempestades.

A intimidade inunda-me com seu volume. Me afogo em teu sorriso e mergulho no suor do corpo.

Desaprendi a conviver, pois acostumei-me a te habitar.

Cumprimentar-te, um esforço; declarar-me, um ato falho.

2 comentários:

Wania disse...

"Ser verdadeiro dilui qualquer gafe, enaltece a companhia, honra o encontro. Faz do tropeço, cambalhota... Desaprendi a conviver, pois acostumei-me a te habitar"

Liiiiiiiiiiindas palavras, Lorenzo...tem muita sabedoria no que tu dizes aqui!
Um relacionamento verdadeiro é tudo que se quer! Uma intimidade falada, sentida e, principalmente, vivida!

Beijosssss pra ti meu querido amigo!

mari_mays disse...

ADOREIADOREIADOREIADOREI.
gostaria de comentar mais no teu blog, por isso eu ando lendo dicionários. Procuro uma palavra pra ti. haha

Tu me inspira, sabia?
Beijinhos Queridásso!