domingo, 8 de fevereiro de 2009

Gêmeos e o Socialismo.


Imagem de: Deviantart.com
Lorenzo Ganzo Galarça

É triste, mas, em geral, irmãos gêmeos enfrentam um regime socialista na infância.

Fui jantar em um restaurante, e vi duas crianças, gêmeas, sentadas nas cadeirinhas de bebês. A questão é que não eram cadeirinhas de bebês comuns, era uma espécie de beliche, uma cadeira grande com dois andares. Quase uma reunião de condomínio.

Irmãos gêmeos unem-se, fundem-se para poder suportar os pais. Precisam vencer a ditadura Stalinista do quarto. Os pais terão de comprar uma van para que a dupla possa sentar no banco da frente, quando a idade certa os alcançar.

As despesas no final do mês não serão tratadas individualmente. Se os filhos tiverem nascido no mês de Dezembro, perto do natal, os pais terão que dar os presentes em prestações, ao longo do ano.

Os pais não se permitirão o carinho exagerado, extravagante, com fundo colorido e luzes piscantes. Nenhum momento poderá ser único com um dos filhos, pois terão de compensar os segundos não vividos com a outra criança.

Os pais de gêmeos são excessivamente cuidadosos. Cortam, milimétricamente, as fatias do bolo de aniversário. Não se permitem tropeçar na criação dos filhos. As crianças crescerão sem saborear o gosto da inveja.

Bons pais são aqueles que deixam com que os filhos sintam e presenciem tudo o que lhes pode ser vivenciado. Amar não é proteger, é ensinar a lutar. Pais não são cuidadores, são educadores.

O Amor não pode ser repartido. É sentimento que se devora. Não se mede o tamanho, nem a voracidade da mordida. O carinho não aceita conta gotas.

Quem ama acorda com o maxilar doendo.

5 comentários:

e.guedes disse...

Vero, Lorenzo. Si non e vero, e benne trovatto.

Adoro.

Beijo e carinho da Eli

Mari disse...

Eu tenho uma irmã que é vários anos mais nova do que eu e, mesmo assim, meus pais se sacrificam para serem os mais "socialistas" possíveis. Imagina com gêmeos que, muitas vezes, são tratados como um único filho fazendo "nenhum momento ser único com um dos filhos"...

Adorei o texto!

Beijos.

Eduardo Matzembacher Frizzo disse...

Estranho é que eu te acho meu irmão na escrita, ainda que escreva muito diferente de ti. Essa coisa de prosa poética tá pegando de um jeito que tendo a crer que o Young estava certo com os lances de inconsciente coletivo. Gosto do seu tom e da sua cor. Mas queria que você fosse mais acre, o que certamente virá com o tempo, ainda que esse meu querer seja no fundo uma farsa. Mas um abraço ao amigo e até mais. Com apreço, Eduardo.

Juhh disse...

É incrível como as pessoas, hoje em dia mesmo, continuam a tratar filhos gêmeos assim. Filhos que como tu msm disse, nunca recebem nada por inteiro, e sim, tudo divido e repartido exatamente entre os dois.
Gostei muito do texto, como todos os outros do teu blog.

=D

lídia disse...

Olá ,eu sou mãe de gêmeos e acho que não conseguimos encontrar outra maneira senão essa.Há muito ciúme entre eles, por isso tentamos ao máximo fazer com que isso não surja,sendo,como você disse,socialistas.Mas acredito que isso acontece em várias famílias que existam mais de um filho,não necessariamente em famílias que tenham gêmeos.Com gêmeos é mais complicado por haver o fato de serem iguais ou bastante semelhantes,mas isso rola em qualquer família ,acredite...