terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Tóxico.


Imagem:Deviantart.com

Lorenzo Ganzo Galarça.

Desentusiasmo-me ao ver uma pessoa tragar um cigarro.

Ele é a carência do pirulito que não lhes foi permitido na infância.

O açúcar virou nicotina. Fumar é estar em falta de si-próprio.

É o preenchimento dos abraços não dados.

Os fumantes ainda não saíram de casa. São inquilinos da sua dependência.

Você foi fraco, não suportastes tua inquietude. Tampastes a boca do entusiasmo.

Não te resumistes aos dentes amarelos dos salgadinhos. As chupetas não foram o bastante para proteger-te de tuas palavras.

Eternizaste a infância por temer esquecê-la.

Os tempos não voltam;
Os pulmões também não.

2 comentários:

Juliete disse...

Oii!
Ah, concordo plenamente com o texto. Não consigo nem me aproximar de fumantes. Acredito, assim como todos, que de outra forma seria muito melhor, ou seja, se não houvesse o cigarro.

*E para lhe responder, encontrei teu blog no kzuka, meus textos geralmente aparecem por lá.*

Lu disse...

Olá. Não te conheço, mas li alguns dos teus textos e...parabéns! Tu tens um estilo de escrita que transmite o que queres dizer transbordando arte, não sei explicar. Me vi muito em alguns trechos, outros já continham ideias diferentes das minhas mas, mesmo assim, parecem fazer um sentido absoluto dentro da arte das palavras. ^^